Dás apoio a alguém que tem esquizofrenia?

O QUE É A ESQUIZOFRENIA?

Segundo a Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental, a esquizofrenia é uma doença que afeta o pensamento, as emoções e o comportamento, e que se caracteriza pela existência de sintomas psicóticos - alucinações e delírios.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA ESQUIZOFRENIA?

Na esquizofrenia, os sintomas são:

Delírios (p.e.: achar que a televisão fala para si próprio, ou que tem superpoderes);

Alucinações (p.e.: ouvir vozes);

Discurso e comportamento desorganizados;

Sintomas negativos (défices cognitivos como dificuldades de concentração, a ausência de resposta emocional e interesse e a dificuldade e alteração do discurso).

QUAIS SÃO OS FATORES DE RISCO PARA A ESQUIZOFRENIA?

Não é conhecida uma causa única para a esquizofrenia. Existe, no entanto, uma forte contribuição dos fatores genéticos na determinação do risco da doença, embora a maioria das pessoas com este diagnóstico não tenha história familiar de psicose.

Assim, pensa-se que diferentes fatores, como complicações durante a gravidez e nascimento e o consumo de drogas, em particular os alucinogénios e a cannabis, contribuam para o desenvolvimento desta perturbação psiquiátrica.

A ESQUIZOFRENIA TEM CURA?

A esquizofrenia é uma doença crónica cuja evolução se caracteriza por períodos de agravamento e diminuição dos sintomas, que prejudicam a funcionalidade do indivíduo. No entanto, é possível controlar os sintomas através de medicação antipsicótica, permitindo a realização das atividades diárias e a redução do número de recaídas. O tratamento também pode envolver psicoeducação, psicoterapia, grupos de apoio, terapia familiar ou treino de capacidades sociais ou vocacionais.

COMO POSSO AJUDAR O MEU FAMILIAR OU AMIGO?

Incentiva-o a procurar ajuda especializada;

Ouve-o, sem julgamentos. É importante validares o que sente, oferecendo o teu apoio e demonstrando compreensão;

Oferece suporte emocional e encoraja o seguimento em consultas e a adesão ao tratamento, uma vez que esses comportamentos influenciam positivamente a evolução da doença;

Acompanha-o nas consultas, de forma a forneceres informações importantes para os profissionais de saúde, como alterações de comportamento ou ideias expressas pelo doente;

Avalia a necessidade de supervisionares a toma da medicação, uma vez que o seu abandono é bastante comum;

Evita contrariar diretamente as ideias expressas pelo teu familiar ou amigo aquando dos delírios ou alucinações. Demonstra compreensão e empatia perante esta realidade que não conheces, mas que para ele é a verdadeira.

Se o teu familiar ou amigo estiver a experienciar um episódio psicótico, iniciar e manter a conversa pode ser um desafio. Nestes casos, e quando o teu familiar ou amigo não equaciona pedir ajuda, deves ser ágil e fazê-lo por ele. Procura pelo Delegado de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde ao qual o teu Centro de Saúde pertence. Ele conseguir-te-á ajudar.

Obtém mais informação sobre como pedir ajuda e como prevenir o suicídio clicando aqui e aqui.

COMO ME POSSO AJUDAR?

Lidar com a esquizofrenia do teu familiar ou amigo pode ser desgastante e solitário. Mas não tens de passar por isso sozinho/a!

Junta-te a nós! maria é uma comunidade online de familiares e amigos de pessoas com doença mental. Aqui, podes refletir e partilhar experiências com os que já passaram pelo mesmo.

Vem tornar-te mestre na arte de cuidar!